parallax background

Descobrir a Arrábida a cavalo

Vamos ao Seagull?
11th June 2019
Hotel do Sado Setubal Featured
Nesta festa pode provar toda a cerveja artesanal que conseguir
13th June 2019
Publicidade
Vertigem MREC #3
 

É um momento único de comunhão com a natureza. Descobrir a serra da Arrábida a cavalo é uma experiência incrível que o vai levar a lugares onde nunca imaginou estar.


Os Cavalos na Serra estão na Quinta do Esteval. Prontos a serem aparelhados e a saírem, os equinos pertencem à Cavalos n’Areia, conhecida pelos magníficos passeios à beira mar, na Comporta.

E, se equitação não é o seu forte, não se preocupe! Aqui também pode contratar aulas (30€ - 30 minutos ou 50€ - 50 minutos) que o deixam apto a viver a experiência em pleno, sem receios.

 

As saídas são em grupos pequenos, de uma a cinco pessoas (embora se possam aceitar grupos maiores), e sempre acompanhadas por guias experientes e apaixonados, como Joana Pólvora, a nossa jovem anfitriã.


Os trilhos, que têm entre seis e oito quilómetros, são cuidadosamente selecionados. Estão na Quinta do Esteval, mas podem ir além chegando até à Comenda.


Os passeios têm um valor de 50€ por pessoa e são feitos em caminhos bem preservados que mantêm o seu estado selvagem. Também se realizam saídas privadas, sujeitas ao pagamento de 100€.

 

Todos os dias há passeios, entre as 9H00 e as 18H00 (outros horários sobre consulta), mas marcações devem ser feitas com 48 horas de antecedência por email (cavalosnaserra@out.pt) ou através do número 964 628 914.

Por entre sobreiros, medronheiros e outras espécies únicas da região, prepare-se para ficar sem fôlego com as vistas esplêndidas que vai ter ao longo do percurso. Numa paisagem maravilhosa, somos surpreendidos por aromas diferentes a cada momento.

 

Os cavalos são dóceis e treinados para que possam ser montados em segurança, mesmo por quem não tem experiência, incluindo crianças. Assim, protegem-se não só as pessoas como os animais, que são tratados com todo o cuidado.

De cima do cavalo, sentindo-lhe o arfar e afagando-lhe a crina, contemplamos o horizonte, no meio da natureza intocada.

Sentimos as energias a retemperar, o corpo a sentir o pulsar da terra e do puro sangue lusitano.

Numa tragada de ar puro, pensamos na sorte que temos…