parallax background

Homem Delírio em Palmela

8th May 2019
Setubal Serra da Arrabida Featured
Setúbal deixa-o sem respiração?
7th May 2019
A Dona Bia
dá-lhe o arroz!
10th May 2019

Será um concerto? Será uma peça de teatro? Um espetáculo de dança? Não. É o Homem Delírio que é tudo isso numa performance inquietante que sobe ao palco do Cineteatro S.João, em Palmela, no sábado, dia 11 de maio.


O espetáculo, que junta teatro físico/dança e música ao vivo, é a apresentação do novo trabalho discográfico de “Um Corpo Estranho”, de Pedro Franco e João Mota.

À dupla setubalense junta-se o criador Ricardo Mondim e o resultado é um momento inédito de grande criatividade em que todos os intervenientes se desafiam e vão além dos seus limites e zonas de conforto.

Publicidade
Vertigem MREC #1

Será um concerto? Será uma peça de teatro? Um espetáculo de dança? Não. É o Homem Delírio que é tudo isso numa performance inquietante que sobe ao palco do Cineteatro S.João, em Palmela, no sábado, dia 11 de maio.


O espetáculo, que junta teatro físico/dança e música ao vivo, é a apresentação do novo trabalho discográfico de “Um Corpo Estranho”, de Pedro Franco e João Mota.

À dupla setubalense junta-se o criador Ricardo Mondim e o resultado é um momento inédito de grande criatividade em que todos os intervenientes se desafiam e vão além dos seus limites e zonas de conforto.

Homem Delírio

Sábado

11 Mai

21:30

Cine Teatro S. João, Palmela
5€

Adicionar ao calendário 05/11/2019 21:30 05/11/2019 23:30 Europe/Lisbon Homem Delírio A humanidade caminha para o abismo. A guerra e o consumo excessivo de recursos materiais, tornou o mundo cinzento e inóspito onde a doença e o medo proliferam.
Publicidade
Vertigem MREC #3
 

Os músicos já tinham trabalhado com Mondim em espetáculos como A Velha Ampulheta e Qarib, e voltam a fundir-se num projeto único.


Ricardo Mondim agarrou no álbum Homem Delírio, lançado em março, e com os vários temas construiu uma narrativa que se vai desenrolar no palco do S. João. O artista não vai estar sozinho, já que Pedro Franco e João Mota se juntam a ele.

Apesar de se assumirem como contadores de anti-estórias, os músicos vão ser personagens de uma encenação que pode muito bem representar o homem atual que “caminha para o abismo”, envolvido “na guerra e no consumo excessivo de recursos materiais” que tornaram “o mundo cinzento e inóspito onde a doença e o medo proliferam”, como refere a sinopse.

 

O trabalho experimental leva o espetador a enrolar-se na vida de Abelâmio que, arrastando a sua casa, “deambula por entre os escombros procurando a sorte”. É tido como “um homem sonhador e solitário dotado de uma imaginação incrível”. Para ele, “nada é descartável, cada descoberta é uma oportunidade”. Tem a “vulnerabilidade de uma formiga, mas a sua sensibilidade é do tamanho de um elefante. Refugia-se num universo imaginário onde habitam gigantes, músicos, cantores, poetas, e seres estranhos. Tem a capacidade mágica de transformar o inútil em fantástico. Vive apenas dos restos dos outros e é feliz”.


Os bilhetes estão à venda no Cineteatro S. João ou em www.bol.pt. Custam 5€ e para o público em geral e 4€ para menores de 25 anos e maiores de 65.


O espetáculo promete inquietar consciências e fazer-nos olhar para dentro de nós mesmos. Numa altura em que o tudo não chega, será o nada suficiente?