parallax background

Dupla de Setúbal tem novo disco de originais

30th January 2019
Inspire Setubal Sao Sebastiao Featured
Já experimentou o turismo virtual?
29th January 2019
Designer setubalense cria roupa sustentável
31st January 2019
 

Assumem-se como contadores de anti-estórias. Escrevem canções em português. São naturais de Setúbal e começaram a fazer música em 2012.

Em conjunto, Pedro Franco e João Mota formam Um Corpo Estranho. Têm vindo a ganhar terreno na criação de bandas sonoras para curtas metragens, peças de dança e teatro físico e, no entretanto, já editaram dois discos. O terceiro está pronto e embora o lançamento só esteja previsto para o final de março já pode ouvir e ver aqui o single de lançamento.

 
 

Definem o seu género como "substância imaterial, metamorfose de uma melancolia anunciada como um shot tequilliano de luxúria contra uma sede insaciável de amor puro". Estranha-se, é verdade. Mas depois entranha-se.

Homem Delírio, a editar pela Malafamado Records com o apoio da Fundação GDA, é o terceiro disco de canções originais, mas a dupla já criou três bandas sonoras para bailados. A velha Ampulheta, Qarib e A Almofada da Paula, baseado na obra da pintora Paula Rego, têm a marca Um Corpo Estranho.

No novo trabalho, que conta com a participação de Sérgio Mendes (produção e guitarra), Celina da Piedade (acordeão) e Paulo Cavaco (piano) como músicos convidados, o duo explora um universo mais introspetivo e intimista. Na base está, descrevem, “uma poética inspirada no surrealismo e no teatro do absurdo” que envolve os oito temas.

Publicidade
Vertigem MREC #3
 

Os dois garantem que este é um disco de rutura, “uma viragem necessária na sonoridade que tem vindo a caracterizar o projeto, ao mesmo tempo que assume uma aproximação ao lado mais ambiental que têm vindo a explorar nas composições para bailado, num assumido namoro ao terreno das artes plásticas e performativas”.

Pedro Franco e João Mota rodeiam-se de talentos. Este novo disco confirma a tendência. O vídeo do single “O Estrangeiro” foi realizado por António Aleixo e produzido pela Garagem e Souza Filmes. A parte visual ficou a cargo da artista plástica Rita Melo, que está presente em várias coleções públicas e privadas e tem representado Portugal internacionalmente em diversos projetos.

A apresentação ao vivo está marcada para o dia 11 de maio, no Teatro São João em Palmela. Anote na agenda porque promete. Vai ter um espetáculo de dança/teatro físico com encenação e interpretação de Ricardo Mondim, bem como dos dois elementos da dupla. Sim, Pedro Franco e João Mota são mais do que músicos.

Enquanto espera pelo dia, pode conhecer aqui o trabalho da dupla, incluindo canções dos dois discos de originais anteriores: De Não Ter Tempo (2014) e Pulso (2016).

 

Rui David Fotografia