parallax background

Moinho da Mourisca
Ao sabor das marés

25th September 2018
Setubal Bio Featured
Bio Setúbal
24th September 2018
Manter a forma no outono
26th September 2018
Publicidade
Vertigem MREC #3
 

Há mais marés do que marinheiros, dizem e deve ser verdade.


Mas, mesmo assim, não conseguimos deixar de nos encantar com a forma como tudo muda enquanto as águas, no estuário do Sado, sobem e descem. Se não tem planos para o fim de semana, não pense mais nisso. Aproveite a fuga que lhe propomos e veja in loco do que estamos para aqui a falar.

Vá até ao Moinho de Marés da Mourisca. O espaço é fantástico, rodeado de diversidade biológica, e, como bónus, acolhe, entre sexta e domingo, a X Observanatura, uma feira dedicada ao turismo de natureza, com especial destaque para o mundo das aves.

Dizem os entendidos que esta é a altura certa para conhecer as garças, os colhereiros e os flamingos. A observação de aves tem tanto de relaxante como de enriquecedora. Nada melhor para recarregar baterias depois de uma semana de trabalho.

O estuário é uma autêntica maravilha da natureza.

Partilhado entre os concelhos de Alcácer do Sal e Setúbal tem mais de 23 mil hectares. A riqueza natural única e a biodiversidade fazem com que nenhuma visita seja igual à outra.

Área de migração e nidificação para aves migratórias é uma espécie de museu vivo e chega a acolher 50 mil exemplares! É neste cenário que se encontra o Moinho de Marés da Mourisca. Estima-se que tenha sido construído no século XVII e é um dos quatro conhecidos no estuário, sendo o único em funcionamento.

Trabalhou durante mais de 250 anos. Foi depois deixado ao abandono, até que o Estado o adquiriu e, em 1995, iniciou a sua recuperação. Só em 2012 o Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas e o município de Setúbal assinaram um protocolo de gestão que permitiu a dinamização do espaço.

 

Pequeno no tamanho (280 metros quadrados), reveste-se de um significado enorme quando pensamos que encerra em si o testemunho dos modos de vida e trabalho na zona, num passado não muito distante.


O edifício conta com visitas guiadas que dão a conhecer o funcionamento dos engenhos, a cozedura de pão e a moagem dos cereais, utilizando como recurso energético as marés.

Há ainda espaço para uma loja, uma cafetaria e uma esplanada. A paisagem envolvente, entre caniçais, salinas e sapais, parece desenhada a lápis de cor. Os barcos de madeira envelhecida numa água lisa e brilhante são autênticos quadros. Vá e volte mais tarde, como a maré. Veja os tons e os recortes mudarem… é um espetáculo indescritível para acrescentar à lista de coisas que nos surpreendem por serem tão simples.

Há um telescópio e binóculos, um observatório e percursos pedestres demarcados. Pode também fazer um passeio de barco “Ao sabor das marés”, proporcionado pelo operador Mirasado.

 

É por aqui que, de sexta (dia 28) a domingo (30), vai andar a Observanatura.


De entrada livre, conta com um programa onde não faltam workshops, ateliês, sessões de anilhagem, passeios pela Reserva Natural do Estuário do Sado, atividades de educação ambiental, entre outras.

Se não pode ir em nenhum destes dias, não se preocupe. Mas vá quando puder. Há mais marés do que marinheiros, lembra-se? O estuário vai esperar por si e é tão bonito.