parallax background

Quem plantou os “Jardins Efémeros”?

2nd November 2019
Salmonete à vista
31st October 2019
Atelier
o nome diz tudo
4th November 2019
Publicidade
Vertigem MREC #2
 

Com 120 metros de comprimento e seis de altura, o mural “Jardins Efémeros” é uma das mais recentes intervenções de arte urbana de Setúbal. Está junto ao Parque Urbano da Várzea e é da autoria de Gonçalo Mar.


O projeto recuperou a fachada de um edifício que aloja oficinas. Com cores quentes e vibrantes, algumas formas surrealistas e plantas, tem como tema a relação humana com a natureza e pretende fazer uma ligação ao Parque da Várzea.

Mas afinal quem é este “jardineiro” da cidade que tem no nome a imensidão dos oceanos? Estivemos à conversa com o artista e contamos-lhe tudo para que conheça o homem por trás da obra.

 

Gonçalo Mar tem 44 anos e é formado em Arquitectura de Design de Moda, pela Faculdade de Arquitectura de Lisboa. Foi a convite da autarquia de Setúbal que projetou os “Jardins Efémeros”. O título foi escolhido porque “sugere uma verdade intrínseca à própria pintura mural que é a sua efemeridade”, explica ao InspireSetubal.

Natural de Lisboa, é apaixonado por desenho desde criança. “Lembro-me de ir com o meu irmão gémeo, no Verão, à Costa da Caparica, isto nos anos 80, e comprar livros da Marvel nos pontões das praias, onde faziam aquelas feiras e vinham os velhotes de Lisboa com os livros que na altura não havia na margem Sul”, recorda.


Sente-se um rebelde, mas dos bons, daqueles que “seguem os sonhos, que correm atrás das coisas que estão estereotipadas como impossíveis e são teimosos e perseverantes”, diz.


Nos seus trabalhos procura o surrealismo figurativo. “Continuo ainda a criar uma realidade alternativa com personagens que vou construindo à medida dos ambiente que vou criando”. Quanto à técnica, “será sempre o spray/parede e depois o pincel”, embora confesse que gosta muito de esboçar a lápis. “Parece-me sempre muito relaxante e espiritual”, assegura. “Quando começas a desenhar parece que alguma coisa te puxa para seguires a linha”.

 

Gonçalo seguiu essa linha que o puxava quando teve um acidente de carro, sem grande gravidade, e decidiu que tinha de dedicar mais tempo àquilo que mais o satisfaz. “Fez um clic aqui dentro e pensei que seria bom aproveitar mais a vida e dedicar-me inteiramente a fazer aquilo que mais amava e amo que é a pintura”.

Olhando para a tela da Várzea saltam à vista os tons intensos em contraponto com outros mais suaves. É uma das marcas do trabalho do artista. “As cores são a base do meu trabalho, elas compõem sempre tudo. Trabalho em contraste com cores que eu chamo de cores de pastilha elástica, aqueles rosas choque, os azuis água e muito celestiais e os violetas suaves”, revela.

Gonçalo não avança para o mural sem “um grande trabalho de pesquisa e conceito”. Precisa de se “sentir confortável e conseguir visualizar na mente” o que quer alcançar. Chegado a esse ponto, “o traço fica mais solto e mais espontâneo”, garante.

 
 

Hoje vê-se como um artista urbano, um muralista contemporâneo, mas quando começou, em 1998, as coisas eram diferentes, andava “meio clandestino”. Não esquece o primeiro graffiti que fez até porque foi logo apanhado. “Foi nos Olivais junto à linha de comboio por trás de uma piscina privada. O dono percebeu e chamou a polícia”, conta. Depois disso ainda lá voltou para acabar o trabalho e nunca mais conseguiu parar.

O Graffiti, reconhece Mar, “ainda é marginalizado, o que é aceite é o chamado StreetArt”. E embora acredite que o esforço dos artistas ajudou a mudar a mentalidade, sublinha que “o Graffiti por razões históricas e por definição direta tem de se manter marginal, quando deixar de ser marginal deixa de ser Graffiti”.


Em Setúbal, Gonçalo encontra “uma excelente” inspiração. “Setúbal é aquele sítio mágico onde o verde mais verde das montanhas encontra o azul mais azul do mar, e parece que tudo foi criado com todo o tempo do mundo à procura do equilíbrio perfeito”. As palavras são do artista que brinca tanto com elas como com as cores.


De espírito livre, sempre em busca de algo que lhe sirva a inquietude da mente, Gonçalo Mar tem deixado a sua marca na cidade. Estes “Jardins Efémeros” juntam-se a outras obras que já criou e transformam espaços inesperados de Setúbal em lugares arrebatadores e surpreendentes.

Fotografias de Sónia Páscoa cedidas por GonçaloMAR